Discutir sobre tal assunto poderia levar uma eternidade, tão vasto que é este assunto. Para dizer a verdade, esta história começou há cerca de 300 a 350 milhões de anos quando os primeiros répteis apareceram na Terra. Hoje em dia, alguns destes desapareceram, tal como os dinossauros. Outros, como os Sphénodons ainda existem, estando presentes na Nova Zelândia há cerca de 200 milhões de anos.

E hoje, o que acontece com os répteis?

Com 9000 espécies espalhadas por todo o mundo, poderíamos pensar que os répteis se estão a sair muito bem e que ainda têm bons dias pela frente. Infelizmente, a verdade está longe de ser tão bonita. Um grande estudo internacional, estima que cerca de 20% das espécies de répteis de todo mundo estão atualmente ameaçadas de extinção, de acordo com o estado de conservação da IUCN! O estudo estima que 30% dos répteis de água doce estão em vias da extinção e essa percentagem chega a 50% quando também contamos as tartarugas em geral, pois elas também são afetadas pelo comércio nacional e internacional. Além disso, alguns répteis “criticamente ameaçados” que não são observados há muito tempo já podem estar extintos.

As razões para esta hecatombe não são novas, devido aos vários fatores, como poluição, desmatamento, caça excessiva, caça furtiva, etc.

Mas neste contexto, haveria um futuro para estes animais?

Ainda podem existir muitas soluções. Primeiro tentando resolver problemas na sua origem, tal como encontrar alternativas que possam reduzir o desmatamento, por exemplo, ou encontrar soluções inovadoras para reduzir a poluição, mas também regulando caça ou luta contra o tráfico de animais.

Embora que, as técnicas de reprodução tenham evoluído fortemente nos últimos anos e que muitas espécies se reproduzem perfeitamente bem em cativeiro.

Mas … Tudo isso estará corretamente feito para proteger a espécie em questão?

Saiba que, antes de chegar a uma criação, várias centenas ou mesmo milhares de répteis foram retirados da natureza. Então devemos tentar aclimatizar os animais ou a maioria delas, infelizmente, não sobreviverá. Depois, deverão vir as tentativas de acasalamento entre os animais, que, ao longo das reproduções, irão deteriorar a riqueza genética que trouxeram os primeiros animais que foram capturados. O resultado são animais que só podem viver em cativeiro por falta de defesa imunológica suficiente. Isto para falar apenas dessa razão, pois há outras.

Não sejamos hipócritas… Muitos dos apaixonados por répteis e conservacionistas passaram pela criação de répteis como particulares. E todos aprenderam muito, antes de darem conta que não queriam seguir esse caminho.

Então, como proteger os répteis que já não têm habitat, e aqueles que estão ameaçados ou que precisam ser protegidos?

Mais uma vez, existem soluções como a criação de uma área natural protegida e dedicada a répteis e outros animais locais, onde eles podem florescer e se reproduzir. E alguns vão acreditar que esta solução seria uma vida perfeita e ideal, mas infelizmente não existe uma vida perfeita e há outros problemas que são reais.

E todos os outros répteis (e outros animais) que não têm um espaço protegido em seus respetivos países ou áreas geográficas?

Acredite ou não, a solução será a reprodução em cativeiro. Mas não de qualquer forma!

Isto envolverá na maioria das vezes a implementação de programas de reprodução realizados em instituições, como os reptilários, e isso em colaboração com vários especialistas. Muitas vezes, algumas pessoas, como os herpetologistas, que trabalham durante meses ou até anos no campo para estudar um animal, ou outros que se especializaram em reprodução em cativeiro ou também os cientistas que participam de todo esse processo para se reunirem, na melhor das hipóteses, todas as peças deste quebra-cabeça.

A diferença? Será uma questão de escolher judiciosamente os espécimes de reprodução que serão capazes de gerar as gerações futuras, capazes de serem liberadas em meio natural, numa zona controlada e criada para esse propósito específico e todo o acompanhamento será gerenciado pelos especialistas mais competentes nesta área.

Em conclusão, os répteis não escapam à globalização e à sua inconveniência e pagam o alto preço. Não há soluções ideais, mas as coisas são bem possíveis, desde que todos trabalhem de mãos dadas.

 

Pin It on Pinterest